A APARF em São Tomé e Príncipe 2021

Projecto 26/2021
Projecto: “Cantina Social – Paróquia da Sé”

A Paróquia da Sé, bem no centro da cidade de São Tomé, criou uma cantina social para dar 3 vezes por semana uma refeição quente a 100 idosos. Tem sido possível mantê-la com a generosidade de particulares e da Cáritas Paroquial. Com a crise instalada pela pandemia as dificuldades agravaram-se e os apoios diminuíram.
Apresentaram um pequeno relatório do ano passado.
Solicitam-nos apoio para alimentação, Cozinha e apoio e serviços de saúde.
A Direcção deliberou aprovar o projecto pela verba 7.500,00 Euros.

———-

Projecto 25/2021
Projecto: “Alimentação e Medicamentos – Casa dos Pequeninos”

A “Casa dos Pequeninos” é um orfanato construído e gerido pela Cáritas da Diocese de S. Tomé e Príncipe cujo objectivo é acolher crianças abandonadas, vítimas de maus-tratos e órfãs. Fundada na década de 90 do séc. XX funcionou, até ao final de 2017, na sede da Cáritas, data em que adquiriu novas instalações. Actualmente em regime de internato tem 40 crianças, dos 6 meses aos 14 anos de idade. Não há outra obra com o mesmo cariz em todo o arquipélago.
D. Manuel dos Santos, Bispo de S. Tomé e Presidente da Cáritas tem um empenho total e directo no funcionamento da Casa dos Pequeninos. Solicita à APARF a ajuda que for possível para alimentação, medicamentos e outros cuidados de saúde e ainda cuidados de higiene. Nestas instituições o acompanhamento e educação social e humana, mesmo psicológico, é fundamental.
A Direcção deliberou aprovar o projecto pela verba 10.000,00 Euros.

———-

Projecto 24/2021
Projecto: “Apoio aos idosos da Casa de Santana”

A Casa de Santa Ana, na Paróquia de Santana, foi fundada pelo Pe. Manuel Cristóvão, que faleceu no início de 2020. Inaugurada a 26 de Julho de 2014, contou desde o início com a “preciosa” colaboração da APARF. Funciona como Centro de Dia, procurando dar, diariamente, uma refeição quente a 47 idosos muito pobres (Prato Quente – durante os cinco dias da semana e pequenos cabazes para o fim de semana de alguns), proporcionar-lhes acompanhamento médico e medicamentoso. Aos idosos que pela falta de mobilidade já não se podem deslocar ao Centro, é necessário visitá-los nas suas casas e levar-lhes o que mais necessitam.
São idosos que já não podem sobreviver pelos seus próprios meios devido à idade, à doença e à situação de abandono. É um projecto, sabemos desde a sua criação, a fundo perdido pois não tem qualquer hipótese de sustentabilidade.
A Direcção deliberou aprovar o projecto pela verba 8.500,00 Euros.